Acabou o B-R-O-Bró: Dezembro registra índice recorde de chuva

A chuva da madrugada de segunda (03) já registrou índice pluviométrico de 104,1 mm, ou seja, o esperado para todo o mês de dezembro. A justificativa é apontada pelo climatologista e professor da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Werton Costa. Acostumados com as temperaturas sempre elevadas, os piauienses poderão sentir o clima amenizar, isso porque as chuvas devem ser acentuadas.

O climatologista explica que uma célula de tempestade se intensificou em Teresina, acarretando chuva intensa. As estações pluviométricas instaladas na capital registraram diferentes índices de chuvas nas regiões. Na zona Leste, Sudeste e Sul de Teresina registraram valores superiores a 104,1 mm. Na Zona Norte, essa expressividade de chuvas só registrou 36,6 mm. “Isso é impressionante e essa chuva severa e intensa representou um acúmulo da quantidade de chuva esperada para todo o mês de dezembro”, explica o Werton.

De acordo com docente, nesse período, registra-se uma grande entrada de umidade vinda do Atlântico com a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), um corredor de nuvens que provoca chuva se deslocou da região do Hemisfério Norte para o Brasil.

“As chuvas, nesse momento, são resultado de uma outra Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), ela atua como um corredor de umidade com nuvens que adentrou o Brasil na altura da Bahia e Espírito Santo e atravessa todo o território nacional, inclusive, o Nordeste, até a Amazônia. Essa massa de ar está bem intensificada este ano, atingindo o centro-norte do Piauí, inclusive, Teresina e a faixa do Sertão”, constata.

Climatologista Werton Costa (Crédito: Raíssa Morais)
Climatologista Werton Costa (Crédito: Raíssa Morais)

Ainda de acordo com Werton, até o final de dezembro as chuvas devem ser acentuadas com efeito sobre a condição térmica, com acúmulo de nuvens que diminuirão a insolação e diminuirá, progressivamente, a temperatura.

Com a interferência na umidade do ar, a tendência é de que a máxima baixe e a mínima caia ainda mais. A umidade do ar também fica bastante favorável e acima de 55%. O especialista conclui que, “já é hora de dizer que o ‘B-R-O-Bró’ está sepultado com essas chuvas”.

Embora muita gente curta a condição amena na temperatura, entretanto, a presença do sol, mesmo sobreposto a nuvens, deve continuar, e com isso haverá a necessidade de fazer uso do guarda-chuva e protetor solar, o que pode evitar lesões de câncer de pele, além de intensificar a hidratação.

 (Crédito: Raíssa Morais)
(Crédito: Raíssa Morais)
Fonte: Meio Norte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *