Política de extensão no Piauí na produção de cajus

Apesar da soja ser a maior cultura agrícola do Piauí, com aproximadamente 1,9 milhão de toneladas produzidas, é pelo caju que o estado se destaca. Isso porque o estado é o maior produtor de castanha do caju do Brasil. São mais de 123 mil toneladas. Toda essa produção conta com o trabalho dos técnicos em extensão rural.

Para Marcos Vinícius Oliveira, presidente da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Piauí (Emater-PI), o extensionista é o agente da mudança no campo, responsável por levar desenvolvimento, educação e, por meio de novos conhecimentos, promover integração entre produtores rurais e fortalecer o setor agrícola.

A seca que se instalou no semiárido piauiense em 2012 deu trégua somente no fim de 2017. A partir de então, ele conta que foi feita a distribuição de mudas de caju para a população rural, mas que, mesmo assim, houve uma diminuição do plantio no estado nos últimos três anos. Ele tem confiado no trabalho dos extensionistas para mudar esse quadro e traça metas.

“Através do trabalho dos extensionistas da Emater, da política do estado, nos últimos três anos a gente tem fortalecido, primeiro o replantio dessas mudas, mas também o fortalecimento de pequenos produtores para tornar novamente o que o estado há algum tempo foi: o maior produtor e processador de cajus do Nordeste e do país”.

Adalberto do Nascimento Filho, de 56 anos, é extensionista há 32 e trabalhou no município de São João do Piauí, a 500 km da capital Teresina. Ele fala sobre a alegria de trabalhar na área.

“A felicidade do extensionista é quando ele leva uma tecnologia que dá certo, que faz com que o agricultor realmente melhore a sua vida. O agricultor familiar vê o extensionista como aquele que vai ajudar a resolver e a melhorar a sua vida”.

Em todo o Brasil, a atuação do extensionista e assistente técnico rural tem grande relevância nos municípios de produção agrícola. Isso porque há 70 anos, comemorados neste mês de dezembro, são eles os responsáveis por levar avanços tecnológicos e, junto com os produtores, pensar em estratégias para uma maior eficiência no campo. No Piauí, são 451 profissionais que fazem esse trabalho de desenvolvimento agrícola. Em todo o país, o número passa de 11 mil.

Com a colaboração de Vítor Mendonça, reportagem, Raphael Costa

Deixe uma resposta