EDUCAÇÃO: Entidade educacional defende Ensino Médio mais justo para alunos do turno da noite

REPÓRTER: Aprovada pela Câmara dos Deputados, em dezembro de 2016, a Media Provisória que pretende reformular o Ensino Médio deve ser debatida no Senado Federal durante a segunda semana de fevereiro.  O projeto tramita em regime de urgência e, por isso, tranca a pauta de votações no plenário, caso não seja apreciado. Portanto, a partir do segundo dia do próximo mês, os senadores terão um prazo de 30 dias para votar a MP. Se não for aprovada até o dia 2 de março, a medida perde a validade.
A proposta que pretende ampliar a jornada escolar e diminuir o número de disciplinas obrigatórias é alvo de criticas e elogios de diversas entidades educacionais. A Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino, a Confenen, entidade que representa as escolas particulares, afirma que é a favor da Medida Provisória, mas acredita que alguns pontos devem ser alterados, como explica o diretor da entidade, João Luiz Cesarino
SONORA: João Luiz Cesarino, diretor da Confenen
“A sociedade civil está muito preocupada. E, quando todos os atores envolvidos no processo estão convictos de que deve haver uma mudança, nós ficamos otimistas de que as coisas estejam partindo para uma melhoria. Então, que falem com os seus senadores, quem tiver a oportunidade, e peça aos seus senadores que apóiem nessa MP as emendas 383 e 495 que vão tornar exeqüível a reformulação do ensino médio.”
 
REPÓRTER: As emendas 383 e 495, citadas por Cesarino foram apresentadas ao projeto pela Confenen. As medidas dizem respeito à carga horária de aulas anuais estabelecida pela Medida Provisória, além de ajudar os estudantes do turno da noite que, de acordo com o texto da MP, terão a carga horária aumentada, como explica o diretor da entidade, João Luiz Cesarino
SONORA:João Luiz Cesarino, diretor da Confenen
“A preocupação de se ter uma previsão ao aluno do ensino noturno que é um aluno mais maduro, um aluno que, na grande maioria trabalha. Então, há de se ter uma preocupação para que o número de horas não seja excessivo e que ele possa efetivamente aprender o conteúdo que lhe é colocado.”
REPÓRTER: De acordo com o texto que será debatido no senado o Ensino Médio terá como foco quatro áreas do conhecimento, sendo elas: linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas.
Reportagem, João Paulo Machado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *