Homem não deve intervir na decisão da mulher sobre aborto, diz Bolsonaro

Abortar ou não é uma decisão que cabe à mulher. Uma opinião que, à primeira vista, seria associada a um candidato com digitais progressistas. Ela pertence, contudo, ao presidenciável  mais combatido por esse segmento, Jair Bolsonaro (PSL).

O candidato afirmou à Folha de S.Paulo9 na semana passada, por telefone, que “não compete ao outro lado”, o do homem, dizer se a mulher deve ou não interromper uma gravidez.
“Vamos supor que eu tenho um relacionamento contigo. Você quer o aborto.” Afirma, então, que caberia à repórter definir o que fazer nesse caso.

Ele havia sido questionado sobre uma entrevista que deu à revista “IstoÉ Gente” em 2000. A repórter perguntou o que ele achava da legalização do aborto. Para Bolsonaro, “tem de ser uma decisão do casal”.

Foi questionado, então, se “já viveu tal situação”. “Já. Passei para a companheira. E a decisão dela foi manter. Está ali”, disse, apontando para uma foto do quarto filho, Jair Renan, com um ano e meio.

Bolsonaro afirma, 18 anos depois, que “não tinha qualquer ascendência sobre” Ana Cristina Valle, com quem se relacionava à época. “Quando [Renan] nasceu, fiz um exame de DNA e assumi a criança.”

Embora diga que a mulher tem o poder da decisão, diz que, como parlamentar, votaria contra legalizar o aborto -e, se eleito chefe do Executivo, exerceria seu poder presidencial e vetaria uma lei pró-aborto eventualmente aprovada pelo Congresso. “Mas se o Congresso derrubar o veto, aí eu não posso fazer nada”, completa.

Em janeiro, o canal oficial do presidenciável no YouTube postou uma entrevista em que ele enfatiza essa posição -cara entre seu eleitorado, de tendência conservadora. “Se depender do meu voto, a legalização do aborto não será dada nesse sentido”, afirma.

Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

Já na TV Tambaú, afiliada do SBT em João Pessoa (PB), reforçou a compreensão de que “o corpo da mulher pertence a ela”. Com uma ressalva dessa vez: “Aquela vida que tem dentro do seu útero, depois que acontece a ligação, o ovo se fixa na parede do útero, não pertence mais a ela. Ela pode até morrer numa clínica clandestina, mas está matando alguém que  gerou num momento de prazer. Isso tem que ser respeitado. Qual mulher, hoje em dia, não conhece ‘n’ formas de contraceptivos para não engravidar?”.

Em seguida defendeu a ampliação de laqueadura e vasectomia como medidas para controle da natalidade, uma bandeira sua.

A Folha de S.Paulo questiona Bolsonaro se as mulheres que abortarem devem ser presas, como prevê a legislação brasileira. “Nunca vi ninguém preso. Desconheço alguém preso. Sou contra aborto e ponto final”, responde.

A reportagem insiste: mas essa mulher deve ser detida, em sua opinião? Bolsonaro diz, então, que essa decisão “compete ao Poder Judiciário”.

Ana Cristina, segunda ex-esposa do candidato (que hoje está em seu terceiro casamento), foi procurada por telefone e recados. Ela, que pretende disputar a Câmara dos Deputados pelo Podemos-RJ, não respondeu à reportagem.

Pesquisa Datafolha publicada no fim de 2017 revelou que a maior parcela dos brasileiros é favorável à criminalização do aborto. A tendência, contudo, é de queda: em dezembro de 2016, 64% dos entrevistados diziam que a mulher que interrompe uma gravidez deve ser processada e ir para a cadeia. Um ano depois, a taxa caiu para 57%.

Fonte: Cidade Verde/Folha Press

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *