MPF investiga oito mulheres por supostas candidaturas “laranja” no Piauí

O Ministério Público Federal (MPF) no Piauí está investigando a utilização de candidaturas laranjas nas eleições 2018 no Estado. Pelo menos oito pessoas – todas do sexo feminino – estão sob suspeita de fraude. O Procurador Regional Eleitoral, Patrício Noé da Fonseca, confirmou que instaurou uma notícia de fato e que já está atuando no caso.

Segundo o MPF, em comunicado divulgado nesta segunda-feira (18), estão sob suspeita as candidaturas a deputada federal de Soraya Coelho (PRB), Raimunda Marques (PRB), Izete Rodrigues (PSC) e Erika Oliveira (PSC). Para o cargo de deputada estadual estão na lista Tamires Vasconcelos (PR), Maria de Fátima (MDB), Luiza Holanda (MDB) e Maria Bernadete (MDB)

Ainda de acordo com o MPF, outras duas denúncias anônimas relataram suspeita de fraude na candidatura de Tamires Vasconcelos, sendo uma feita diretamente na Procuradoria da República no Estado, em dezembro do ano passado, e outra na Procuradoria Regional da República na 1ª Região, em Brasília, no dia 16 de janeiro deste ano.

Ainda segundo o MPF, todos os processos já foram concluídos e aguardam análise para ordenação das diligências e encaminhamentos cabíveis.

Governo federal

Foram por suspeitas de financiamento de candidaturas laranjas pelo PSL que se instalou uma crise no governo Bolsonaro nos últimos dias. O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, foi chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro. O ministro afirmou que conversou com o presidente – quando ele ainda estava internado – sobre as denúncias em relação às candidaturas laranjas. Fato negado pelo filho de Bolsonaro. A demissão do ministro é aguardada ainda nesta segunda.

A Folha de S.Paulo revelou que Bebianno liberou R$ 250 mil de verba pública para a campanha de uma ex-assessora, que repassou parte do dinheiro para uma gráfica registrada em endereço de fachada -sem maquinário para impressões em massa.

Fonte: Cidade Verde

Deixe uma resposta