POLÍTICA: “Câmara terá a reforma política aprovada no mês de agosto”, garante Rodrigo Maia

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), garantiu, nesta terça-feira (8), que a Casa vai votar e aprovar uma reforma política ainda neste mês. O assunto é tratado como prioridade, já que qualquer mudança no sistema político-eleitoral precisa ser aprovada pelo Congresso até o dia sete de outubro para que, assim, tenha validade já nas eleições de 2018.
“A gente vai avançar com a reforma política. É uma das reformas que colaboram com a mudança que o Brasil precisa. Mudança que pode reaproximar o eleitor, a sociedade da política brasileira, da democracia brasileira e nós vamos avançar, sim. Vocês podem ter certeza que a Câmara terá a reforma política aprovada no mês de agosto.”
 
Entre as mudanças que estão sendo discutidas está a chamada cláusula de desempenho. De acordo com a proposta só terão direito ao Fundo Partidário e ao horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão os partidos que alcançarem pelo menos 3% dos votos válidos nas eleições para a Câmara, em pelo menos 14 estados. Para as eleições de 2018, haveria uma transição onde a restrição seria aplicada aos partidos que não obtiverem o mínimo de 2% dos votos válidos na eleição para a Câmara. Além disso, as mudanças nas regras eleitorais também atingiriam o financiamento das campanhas e o sistema para a eleição dos candidatos.
Vice-líder do governo na Câmara, o deputado Beto Mansur (PRB-SP), ressalta que a reforma política é uma exigência da sociedade e que, por isso, as mudanças precisam ser aprovadas o quanto antes.
 
“A sociedade exige que se faça uma reforma política, exige que se diminua o número de partidos. Exige que pare de acontecer essa coisa de partidos vendendo tempo de televisão. Então, tudo isso nós vamos procurar aprovar.”
 
A reunião da comissão da reforma política que estava prevista para essa terça acabou sendo adiada para que os partidos discutissem o tema. A previsão é de que o colegiado volte a se reunir já nesta quarta-feira.
Reportagem, João Paulo Machado

Deixe uma resposta